Sobre

Sobre2016-11-22T18:51:47+00:00

Fotografia da 1ª classe em 1947 (Turma de Fundadores).

Na 1ª fila: José Manuel Cardoso de MenezesJosé Filipe Athayde de CarvalhosaVasco Ferreira PintoAntónio Duarte Monsaraz e João Salazar de Sousa. Na 2ª fila: José Manuel Lourens Farinhas, P. José AntunesP. Joaquim Eça d’Almeida (Reitor)P. Angelino BarretoP. Luís Ferreira da Silva e João Joaquim da Silva. Na 3ª fila: Luís Pereira Rosa,  José Manuel Mendonça e MenezesFernando Gui de Sousa Alvim, José Carlos Ary dos SantosDuarte Nuno Chichorro Marcão, Miguel Leite de Faria e José Eduardo Portas Feijó.

Preâmbulo

O 25 de Abril de 1974 não foi uma revolução sangrenta, mas abalou profundamente a sociedade portuguesa.
As gerações mais velhas sofreram perturbações bruscas nas estruturas familiares e sociais, a que não estavam preparadas para responder.
Muitas Famílias foram espoliadas dos seus bens, saneadas dos seus empregos e acusadas na praça pública por ofensas à sociedade que nem se apercebiam de porventura pudessem ter cometido.
As gerações mais novas, ainda a procurar estabilizar e a iniciar a sua vida, após terem completado os seus estudos e cumprido o serviço militar – frequentemente com participação activa na Guerra do Ultramar – foram surpreendidas com as alterações profundas das maneiras de se ver o País e o Mundo.
Tudo foi posto em causa, de repente e sem pré-aviso, e a liberalização política arrastou uma liberalização de costumes uma alteração de meios e modos de vida que deixou muitos completamente desorientados e perdidos.
Conhecidos da véspera, apareciam à luz do novo dia com uma roupagem completamente diferente, não raras vezes surgindo como militantes acérrimos de partidos radicais recém formados, que ninguém sabia o que verdadeiramente significavam ou realmente queriam, frequentemente mostrando facetas pessoais completamente diferentes da que aparentavam antes da revolução.
Foi, pois, num ambiente de transição, em que a maior parte procurava encontrar raízes a que se agarrar e pessoas em quem confiar, que a Direcção do Colégio S. João de Brito, na pessoa do Rev. Padre José Carlos Belchior, resolveu iniciar uma consulta a cerca de 700 antigos alunos, que compareceram agrupados por escalões etários a diversos encontros realizados no princípio do ano de 1981, lançando o desafio de se voltar a constituir uma Associação dos Antigos Alunos.

Comissão Instaladora

Face à inusitada comparência às reuniões e à adesão generalizada à ideia, a Direcção do Colégio, garantindo o seu apoio e colocando à disposição as instalações e um mínimo de meios administrativos, nomeou entre os antigos alunos que tinham mostrado interesse e disponibilidade em colaborar no arranque da Associação, uma Comissão Instaladora, com a missão de estudar e propor os Estatutos da futura Associação.
Assessorados pelo Antigo Aluno Rev. Padre António Amaral, constituíram a Comissão Instaladora:
Miguel Eiró, Manuel Sacavém, Manuel Lucena, Fernando Larcher Nunes, Paulo Azevedo, Guilherme Collares Pereira, José Maria Sarreira, Henrique Trocado e Miguel Sarmento.
Na sequência dos trabalhos da Comissão Instaladora, esta convocou para o dia 10 de Novembro de 1981 a realização de uma reunião geral de antigos alunos no Colégio S. João de Brito, conforme Aviso Convocatório publicado com a necessária antecedência em diversos jornais de Lisboa e Porto, com a seguinte Ordem de Trabalhos:

1º Deliberar sobre a constituição da Associação.
2º Aprovação dos Estatutos e Regulamento Eleitoral.
3º Mandatar representantes para a escritura de constituição.
4º Marcação da data da  Assembleia Geral para eleição dos Corpos Sociais.

No decorrer de concorrida e animada sessão, foram discutidos e aprovados os Estatutos e o Regulamento Eleitoral, foi mandatada a Comissão Instaladora para outorgar a escritura pública de constituição e marcado o dia 4 de Fevereiro de 1982 – Dia de S. João de Brito – para a Assembleia Geral Eleitoral.

Constituição da Associação dos Antigos Alunos

A Associação dos Antigos Alunos do Colégio S. João de Brito foi constituída por escritura pública celebrada no 8º Cartório Notarial de Lisboa no dia 7 de Janeiro de 1982 sendo sócios fundadores a maior parte dos membros da Comissão Instaladora.
Convocada a Assembleia Geral Eleitoral, com todas as formalidades e garantias resultantes do Regulamento Eleitoral previamente aprovado e do conhecimento geral, candidataram-se duas Listas às eleições:

A Lista A encabeçada por Filipe Garrido
A Lista B presidida por Miguel Eiró

As duas Listas apresentaram e divulgaram os respectivos programas eleitorais, pelo que no dia 4 de Fevereiro de 1982 a concorrência às urnas registou um elevadíssimo número de antigos alunos, que após se terem inscrito na Associação, elegeram por larga maioria os membros que compunham a Lista B.
Consequentemente, os primeiros Corpos Sociais da recém criada Associação dos Antigos Alunos foram os seguintes:

DIRECÇÃO
Presidente Miguel Eiró
Vice-Presidente Paulo Azevedo
Vogal Efectivo Guilherme Collares Pereira
Vogal Efectivo José Marques da Gama
Vogal Efectivo José Maria Sarreira
Vogal Efectivo Manuel Lucena
Vogal Efectivo Manuel Sacavém
Vogal Suplente Ana Cristina Costa
Vogal Suplente Maria Luísa Ribeiro Corrêa

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL
Presidente António José Xara Brasil Nogueira
Secretário José Manuel Mendonça Menezes
Secretário João Sousa Eiró

CONSELHO FISCAL
Presidente  Henrique Trocado
Vogal Efectivo Alberto Lago da Silva
Vogal Efectivo Miguel Sarmento
Vogal Suplente Joana Campos Miranda
Vogal Suplente Manuel João Alves Ribeiro

Actividades da 1ª Direcção da Associação (1982 a 1984)

Constituída por antigos alunos que tinham frequentado o Colégio desde a sua origem em 1947 e até ao último curso finalista de 1981 os corpos sociais representavam efectivamente as sensibilidades dos vários escalões etários e estavam unidos e determinados em darem cumprimento ao programa eleitoral que tinham apresentado a sufrágio e para cumprimento do qual tinham sido eleitos.
A Direcção reuniu pela 1ª vez em 16 de Fevereiro de 1982 contando também com a presença dos membros da Mesa da Assembleia Eleitoral (Rev. P. José Carlos Belchior; Rev. P. António Amaral e Fernando Larcher Nunes); de membros da Mesa da Assembleia Geral e dos Membros do Conselho Fiscal.
Nessa reunião, foi decidido transcrever-se no Livro de Actas da Assembleia Geral a acta da reunião de Antigos Alunos realizada em 10 de Novembro de 1981, uma vez que a mesma transcrevia o Regulamento Eleitoral.
Mais foi aprovado:

O Regulamento da Direcção.
Delegação de poderes nos Vogais da Direcção para o acompanhamento de tarefas específicas.
Solicitar ao Director do Colégio que fosse designado o Rev. P. António Amaral para assistente da Associação, o que veio a se deferido.
Logo no primeiro ano, a Direcção da Associação conseguiu os seguintes objectivos:
Que a Direcção do Colégio desse prioridade nas admissões aos filhos de Antigos Alunos, com início no ano lectivo de 1982/1983, em que dos 187 novos alunos, 52 já foram filhos de Antigos Alunos, de acordo com os novos critérios.
Ter assento no Conselho Colegial (órgão consultivo da Direcção do Colégio para informação e consulta sobre as grandes linhas que presidem à orientação do Colégio).
Realização de um encontro/fim de semana de antigos alunos, o Hotel das Termas do Vimeiro, onde se iniciou a tradição dos Torneios de Ténis e de Golfe entre os Antigos Alunos, para além de um Torneio de Bridge e do ressurgimento da famosa Gincana de Automóveis.
Instituir a participação da Associação dos Antigos Alunos na Festa das Famílias do Colégio, com direito a uma “barraca” própria.
Instituir o dia 8 de Dezembro como o “Dia do Antigo Aluno” promovendo a realização nesse dia de uma reunião anual de Antigos Alunos nas instalações do Colégio.
Lançar um Boletim Informativo regular, como meio por excelência de contactar os antigos alunos inscritos na Associação e de os informar da vida associativa, tendo logo no seu nº 1 sido lançada a ideia de se vir a fazer um ANUÁRIO dos Antigos Alunos do Colégio.
Em 1983 mantiveram-se as actividades de representação da Associação no Conselho Colegial e na Festa das Famílias; da realização da reunião do 8 de  Dezembro e do envio regular do Boletim Informativo, bem como a realização dos encontros/fim de semana, esse ano em Tavira, por altura do Carnaval, e no Vimeiro, no início da Primavera.
Nesse ano, institui-se o princípio, que posteriormente continuou a ser seguido,de homenagear na reunião de 8 de Dezembro, os que tinham saído do Colégio no ano anterior e os que faziam 15 e 25 anos de saída do Colégio.
Foi também o ano da abertura ao exterior e da internacionalização da Associação, através da participação da Associação no XV Congresso Europeu de Antigos Alunos de Jesuítas e de reuniões com a Associação de Antigos Alunos de Santo Tirso.
No ano de 1984 houve que sedimentar o terreno já conquistado; prosseguir as actividades que se vinham a desenvolver, e que se demonstrado serem úteis e necessárias à manutenção da Associação como uma instituição útil para os Antigos Alunos; e procurar assegurar uma continuação a nível dos corpos sociais, chamando elementos mais novos ao desempenho dos cargos directivos.
Nesse ano, foi celebrado um Protocolo com os Antigos Alunos de Santo Tirso, com vista á criação de uma Federação de Associações de Antigos Alunos dos Jesuítas em Portugal e permitir uma representação conjunta nas Associações Internacionais.
A Direcção em exercício, criou também o prémio “José Carlos Belchior” destinado a galardoar o antigo aluno do Colégio que mais se distinga nos campos religioso, artístico, cultural ou científico, redigindo e aprovando o respectivo Regulamento.
Preparou-se o acto eleitoral que veio a eleger novos corpos sociais para o triénio seguinte, tendo alguns dos membros cessantes feito parte da única Lista que se candidatou, aceitando o Presidente da Direcção candidatar-se mas como Presidente da Mesa da Assembleia Geral, para assim garantir a passagem do testemunho.

Resumo:

A primeira Direcção da Associação dos Antigos Alunos do Colégio São João de Brito, sob a Presidência de Miguel Eiró, que já tinha presidido à Comissão Instaladora e que foi um dos sócios fundadores da Associação, idealizou e pôs em prática todo um conjunto de instituições e de actividades cuja maior parte, ainda hoje, passados que são 25 anos, continuam actuais e a reger a vida da Associação, como sejam:
Instituição do dia 8 de Dezembro como o Dia do Antigo Aluno.
Realização, nesse dia, de uma reunião geral de antigos alunos homenageando em especial os que acabaram de sair e os que nesse ano fazem 15 e 25 anos de saída do Colégio.
Instituição do Prémio “José Carlos Belchior”.
Informação aos sócios por uma publicação escrita periódica e regular.
Abertura a outras Associações de Antigos Alunos de Jesuítas e representação nas Associações Internacionais.
Torneios de Ténis e de Golfe entre os antigos alunos.
Participação na vida do Colégio, nomeadamente na Festa das Famílias.
É, pois, com a sensação do dever cumprido e com a certeza que os actuais e futuros membros dos Corpos Sociais da Associação não deixarão de dar sequência e de desenvolver, cada vez mais, as ideias e os princípios que imprimi no meu mandato, enquanto primeiro Presidente da Direcção, que subscrevo estas breves linhas, para que conste e se reponha a verdade dos factos, uma vez que a memória dos homens é curta e não se pode admitir que a História seja por eles alterada.

Lisboa, 15 de Março de 2007
Miguel Eiró (Aluno do Colégio São João de Brito entre 1959 e 1966)